IPCA: o que é e como a inflação pode afetar seus Investimentos

Uma das principais dúvidas na hora de realizar investimentos em renda fixa diz respeito a como funcionam e qual é a estabilidade que os indexadores mais utilizados nesta categoria de investimentos possuem.

Entre os indexadores mais usados, com certeza estão a taxa Selic e o IPCA. Investimentos como o Tesouro IPCA e os CDB’s são baseados diretamente pelo IPCA.

Muitas ainda são as dúvidas da relação do IPCA com a inflação e como ela pode influenciar os investimentos baseados nesse indicador. Por isso, vamos explicar para você o que é a inflação e IPCA e como eles afetam os seus investimentos. 

O que é a inflação? 

O aumento do preço de produtos e serviços é chamado de inflação. Ela é calculada pelos índices de preço,  conhecidos como índices de inflação. 

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é responsável por produzir dois importantes índices de preço, o INPC, e o IPCA, que é considerado o índice de inflação oficial pelo governo federal

Vamos  explicar o que cada um deles representa.

O que é INPC?

O  Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) é responsável pela verificação da variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 e 5 salários mínimos. Pois esses grupos são considerados mais sensíveis às variações de preço, já que boa parte da sua renda tendem a ser gasta com itens básicos, como alimentação, medicamentos e transporte, por exemplo.

O INPC raramente é utilizado por instituições financeiras ou como base para análises amplas sobre a economia do país, já que o índice oficial do governo federal é o IPCA.

O que é  IPCA?

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), se difere do INPC por sua abrangência, já que é responsável pela verificação da variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 e 40 salários mínimos, englobando assim uma parcela maior da população.

O IPCA é um importante índice financeiro do país, sendo referência para as metas de inflação e para as alterações na taxa de juros

Como o IPCA é calculado?

O cálculo do IPCA é realizado mensalmente pelo IBGE em 13 áreas urbanas do país, colhendo cerca de 430 mil preços em 30 mil locais. Todos os preços serão comparados com o mês anterior, gerando um único valor que reflete a variação geral de preços ao consumidor no período.

É importante saber que o IPCA impactará de forma diferente pessoas com diferentes perfis, já que o cálculo é realizado a partir de um amontoado de serviços e produtos, e cada um possui um peso diferente no cálculo. Porém, tais serviços e produtos podem ter um peso diferente para sua família, por exemplo. 

 

Tabela Cálculo do IPCA

 

No site do IBGE é possível encontrar a Calculadora do IPCA, onde é possível atualizar um valor pela variação do índice entre duas datas. A partir do resultado é possível que você  simule a correção de uma quantia numa determinada data utilizando o IPCA e saber o valor correspondente numa outra data. 

Como o IPCA impacta os seus investimentos?

É importante estar atento ao índice, pois ele é influencia diversos fatores da vida de uma pessoa. O IPCA impacta diretamente o poder de compra da população, pois se a variação do seu salário, de um ano para o outro, for menor do que o IPCA, significa que seu poder de compra diminuirá, pois os preços subiram mais que o seu salário. Seguindo a mesma lógica, se a variação do seu salário for igual ao do IPCA, seu poder de compra se mantém; e se a variação do seu salário for maior que o IPCA, seu poder de compra terá aumentado. 

Além disso, o Banco Central utiliza o IPCA como principal medidor de inflação no país, sendo usado como referência para monitorar a meta de inflação anual, e definir as políticas monetárias e políticas econômicas. Por exemplo, caso o governo perceba que a meta anual de inflação será ultrapassada, ele pode aumentar a taxa de juros, tentando controlar o movimento inflacionário. 

Já em relação aos seus investimentos, a inflação deve ser levada em conta em todos os rendimentos das suas aplicações. Por exemplo, ao pesquisar sobre um determinado investimento você descobre que ele irá ter um rendimento de 11% ao ano, porém, esse valor sempre diz respeito a rentabilidade nominal, quer dizer, o retorno bruto desse investimento. Entretanto, para descobrir qual é a rentabilidade real do investimento, o investidor precisará descontar custos, como taxas e impostos, além da inflação, para finalmente chegar a rentabilidade líquida da aplicação.

Além disso, alguns investimentos estão completamente atrelados à inflação. Alguns exemplos são:

– Tesouro IPCA+: é um título em renda fixa híbrido atrelado à inflação e que oferece rendimentos que cobrem o aumento dos preços mais uma taxa fixa.

– LCI e LCA: essas são duas categorias de investimentos que são isentos de imposto de renda, além disso, oferecem um potencial maior de rendimentos.

– CDB: aplicações deste investimento podem cobrir a inflação e apresentarem liquidez diária. 

No mais, independente do seu perfil investidor é necessário que você compare o rendimento do investimento e da inflação, pois o índice possui um grande potencial para ajudar seus investimentos. Caso o investimento esteja ligado ao IPCA, é essencial observar qual a taxa aplicada e realizar os descontos possíveis, para que a rentabilidade real do investimento seja encontrada e você possa escolher qual o melhor.  Você também precisa saber o que fazer caso a inflação esteja alta ou baixa:

– Como já explicamos, caso a inflação esteja alta, você precisará tomar cuidado para proteger o seu poder de compra. Sendo assim, é melhor investir em aplicações de longo prazo, como o Tesouro IPCA+, CDB, LCI e LCA.

– Em contrapartida, a inflação baixa, em princípio, pode ser considerada uma boa notícia para os investimentos. Porém, é necessário acompanhar também como está a taxa Selic, pois uma taxa básica de juros baixa, reduz significativamente a rentabilidade das aplicações. Neste cenário, investimentos atrelados ao IPCA e ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI) podem ser pouco vantajosos. 

Ou seja, é necessário que você conheça bem quais são os indicadores utilizados nos investimentos, para que possa analisar e calcular qual a melhor opção para seu perfil investidor.

Se quiser saber mais sobre investimentos e quais mais combinam com o seu perfil, continue acompanhando os conteúdos da V10 Investimentos ou solicite um contato AQUI!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *