Tesouro Direto: mesmo com a crise, vale a pena aplicar?

tesouro-direto-na-crise

Não é preciso ser um leitor assíduo de jornais para saber que o Brasil está passando por uma crise política e econômica. Enquanto se ouve muito falar das tensões no Planalto Central, o nosso bolso está ficando cada vez menor.

No meio de tanta turbulência, será que o brasileiro teve tempo de parar pra pensar no seu futuro? Nesse momento em que somos bombardeados com notícias ruins, é seguro investir em títulos públicos?

O que  são títulos públicos

Os títulos públicos são ativos de renda fixa que tem por finalidade captar recursos para o financiamento da dívida pública e financiar atividades do Governo Federal, como educação, saúde e infra estrutura.

Eles são emitidos pelo Tesouro Nacional através do programa chamado Tesouro Direto, implementado em 2002, com o objetivo de tornar popular o acesso da pessoa física ao investimento em títulos públicos.

Existem alguns cuidados que o investidor deve ter ao investir em títulos públicos. É necessária a definição do prazo que o investidor pretende manter seu dinheiro investido, o montante e sua estratégia.

Os títulos públicos são separados em dois tipos:

Pré-fixados: no momento da compra, o investidor sabe exatamente quanto resgatará no final do prazo.

Pós-fixados: o montante a ser resgatado vai variar de acordo com a oscilação de algum índice atrelado ao título.

Entendendo a Taxa Selic

A Taxa Selic é dita como a taxa básica de juros, ou seja, é a taxa de juros que o governo paga para quem empresta dinheiro para o mesmo. A definição dessa taxa é feita através de reuniões do Comitê de Política Monetária (COPOM) a cada 45 dias.

Por outro lado, a famosa inflação é o nome dado a um aumento persistente e generalizado de preços. A inflação é um importante indicador para a economia de um país, pois a partir dele, o governo tem como adotar medidas para que o país cresça sem que a população perca o seu poder de compra indefinidamente.

Exemplo: caso a inflação esteja muito alta, o Bacen pode vir a intervir no curto prazo e aumentar a taxa Selic, fazendo com que os bancos cobrem mais caro para liberar crédito e consequentemente diminuindo o consumo de bens.

Isso faz com que as empresas tenham que realizar um esforço maior de venda e consequentemente abaixarem os preços. A ideia no longo prazo é aumentar a capacidade produtiva das empresas, puxando os preços dos bens para baixo.

Para essa situação, o título público indicado seria o Tesouro Selic. Esse título é recomendado quando a tendência da Taxa Selic é de elevação, visto que a rentabilidade é atrelada a mesma taxa.

Entendendo o IPCA

Os títulos públicos atrelados ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo – inflação) visam a manutenção do seu poder de compra mais uma taxa que é pactuada no momento da compra.

Esse título público é chamado de Tesouro IPCA + com Juros Semestrais e é possível vendê-lo antecipadamente para o Tesouro Nacional a valor de mercado. Vale lembrar que a característica desse título é o pagamento de juros semestrais, que ajudam a complementar a renda do investidor, além de já virem descontados do imposto de renda (obedecendo a tabela regressiva).

Um título público mais indicado para quem deseja poupar para a aposentadoria é o Tesouro IPCA+, que também proporciona uma rentabilidade real e possuem prazos mais longos.

Ele possui um fluxo de pagamento simples, onde se faz o investimento e somente receberá o valor investido acrescido da rentabilidade na data de vencimento ou resgate do título.

A simplicidade do Tesouro Direto

A criação do Tesouro Direto aproximou bastante os pequenos investidores do Tesouro Nacional, visto que para poder comprá-los, basta possuir uma conta corrente em uma instituição financeira e um CPF.

A partir disso, você receberá uma senha provisória da BM&FBovespa para o primeiro acesso à área restrita do Tesouro Direto. Os investimentos mínimos em títulos públicos são de R$ 30,00, permitindo ao investidor, aplicar quantias do tamanho dos seus excedentes de caixas todos os dias.

Dentre todos os investimentos ofertados por um sistema financeiro de um país, os títulos públicos são os mais seguros. Eles contam com a garantia do Tesouro Nacional, que é o caixa do governo.

Quando o Estado precisa de recursos para fechar a conta, ele tem a opção de emitir esses títulos, remunerando o investidor comum com taxas bastante atrativas. O risco que se tem com esse investimento é muito baixo, visto que todo o sistema financeiro do país precisa quebrar para que o governo não arque com suas dívidas, mesmo que as essas sejam postergadas por alguns anos.

Grau de investimento brasileiro

Historicamente, o Brasil sempre teve dívidas e nem por isso veio à falência. A parcela que corresponde à dívida com investidores de títulos públicos no Brasil é de apenas 0,67% da dívida pública total do país, ou seja, o governo definitivamente não perderia sua credibilidade com sua maior fonte de arrecadação (o povo) por não arcar com menos de 1% da sua dívida total. Porém nem tudo são rosas.

As chamadas “agências de rating” tem como objetivo estudar a capacidade que os países tem de honrar com o pagamento da sua dívida de maneira independente.

Ultimamente algumas agências tem sinalizado o rebaixamento do grau de investimento do Brasil, ou seja, colocado como um mau pagador. O que normalmente se espera de uma análise dessa é a fuga de capital estrangeiro do país, o que de fato tem acontecido.

Tesouro Direto são investimentos conservadores

Os títulos públicos são tão conservadores, que os fundos de investimento em renda fixa costumam ter grande parte dos seus ativos alocados no Tesouro Direto.

Isso se deve ao fato de que após a compra de um título público, existem duas alternativas para o investidor: resgate ou levar o título até o vencimento.

Caso o investidor esteja numa posição privilegiada, como por exemplo, comprar um título pré-fixado com vencimento para daqui a 5 anos, e passados 2 anos a taxa básica de juros despencar, ele poderá vender seu título de volta para o Tesouro Nacional, ganhando na diferença que pagou pra que vendeu.

Vale ressaltar que investir em títulos públicos em momentos de crise, traz volatilidade para o investimento, sendo assim, é fundamental que o investidor tenha muito bem alinhado os prazos de seus investimentos. Quanto mais próximo do vencimento do título, menor é a sua volatilidade.

Como acontecem as transações dos títulos públicos

Desde março de 2015, os títulos públicos podem ser vendidos de volta para o Tesouro Nacional todos os dias, sendo garantida a recompra com o valor que estiver à mercado das 18h até as 5h do dia seguinte.

Os títulos públicos são bem competitivos no sentido de custos de aquisição e manutenção. Porém é necessário que o investidor fique atento aos custos de administração que as instituições financeiras cobram para manter seus títulos sob custódia.

A escolha de instituições financeiras que possuem integração com a BM&F Bovespa, permite que o investidor faça a compra dos títulos diretamente do site da instituição, assim como checar o saldo das operações e demais informações.

Nos fins de semana e feriados, a venda pode ocorrer qualquer hora do dia. Em todos os casos, as transações são concluídas com os preços de fechamento de mercado e o pagamento se dá no dia útil subsequente à venda.

Para a situação oposta, onde ele comprou um título pré-fixado e os juros aumentaram, ele pode minimizar a sua “má escolha” ao levar o título para o vencimento e pelo menos garantir a taxa que foi compactuada, sem ganhar a diferença da alta do juros.

Tesouro Direto é um bom começo

Para o investidor menos experiente, os títulos públicos são um bom começo para familiarizar-se com o mercado de capitais. Produto acessível, competitivo e indispensável para qualquer carteira de investimento.

Vale lembrar que apesar de ser um investimento de renda fixa, é possível que o investidor cometa erros que prejudiquem sua rentabilidade.

Antes de tomar qualquer decisão, é válido conversar com um consultor de investimentos, que vai procurar entender os seus objetivos e sugerir os melhores produtos para cada perfil de risco.

Dúvidas? Deixe nos comentários que vamos ajudar você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *