Mercado Financeiro: entendendo e acompanhando taxas

Tempo de leitura: 2 minutos

No jornal impresso ou TV, sempre chega a parte em que são citados os índices e taxas da Ibovespa, Selic e outros, não é mesmo?

Mas, se você está aqui, provavelmente não entende muito bem o que significam ou como funcionam. Vamos por partes? Nesse blog post iremos explicar de forma simples, para que você possa investir e até mesmo analisar se o trabalho da sua consultoria de investimentos está sendo bem realizado.

O que é o mercado financeiro?

O mercado financeiro é composto por instituições que negociam produtos financeiros. De grosso modo, negociam dinheiro. Bancos, corretoras de investimentos, empresas de planejamento financeiro (assim como a V10) e muitos outros são os players do tal mercado financeiro.

Uns emprestam para ter rentabilidade com juros e outros tomam emprestado para realizar seus projetos. Uns dão consultoria de como investir melhor e outros montam planejamentos financeiros personalizados para cada cliente.

As famosas taxas
As taxas que envolvem o cenário desse mercado são diversas. É comum ficarmos nos perguntando como elas impactam em nossas vidas.

Para o investidor, as taxas são o termômetro do dinheiro aplicado. Dependendo do investimento escolhido, elas podem dizer diretamente se vale a pena ter o dinheiro aplicado e o prazo correto para cada aplicação.

Estas são as principais taxas que interferem diretamente nos investimentos:

  • SELIC
    A Taxa SELIC é a taxa básica de juros definida pelo governo a partir da inflação, crescimento do país e outros pontos. Ela é a base direta para Tesouro Selic, LCI’s e LCA’s.

Aumentar a taxa SELIC é a forma que o governo tem para reduzir diretamente a inflação, da mesma forma que a redução permite correção dos preços e, consequentemente, aumento da inflação (o que geralmente é um preço que o governo aceita pagar para ter crescimento econômico).

  • IPCA
    O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo é o indicador da inflação no país. O Tesouro IPCA e os CDB’s estão diretamente ligados a esse indicador, já que são investimentos que garantem rentabilidade acima da inflação – ou seja, acima do IPCA. Comum ver investimentos desse tipo com a taxa IPCA + 5%, por exemplo, o que garante ao investidor 5% de rentabilidade livre de inflação.
  • TR – Taxa referencial
    Essa é a famosa taxa que incide na poupança e também no rendimento do FGTS. A Taxa Referencial é uma taxa mensal que foi criada para servir de referência para a taxa de juros no Brasil, numa tentativa de controlar a inflação durante o governo Collor, no início dos anos 1990.

Se você já fez um financiamento habitacional, tem trabalho com carteira assinada ou já aplicou na caderneta de poupança, provavelmente já ouviu falar o que é TR.
Ficou mais claro agora?

Analisar estas taxas é fundamental para investir com cautela e conhecimento. Para evitar surpresas no futuro, seu investimento precisa ser planejado com base em seus objetivos e prazos.

Caso não invista ainda, procure algum consultor V10 Investimentos. Faremos seu planejamento financeiro personalizado, sem conflitos de interesse.

Fazer download do e-book