Quais são os investimentos conservadores?

Tempo de leitura: 4 minutos

Onde investir de forma segura?

O mercado financeiro é composto por uma grande variedade de produtos e possibilidades e investimentos: títulos públicos ou privados, ações e opções, fundos de diversas naturezas, poupança, entre outros. Como escolher, portanto, a estratégia que melhor se aplica para você?

Antes de mais nada, é necessário compreender que cada investimento possui um nível e tipos de risco – de mercado, de liquidez, de crédito, operacional ou legal – e que cada investidor, por sua vez, possui um perfil que aceita diferentes graus de risco, sendo mais conservador ou agressivo.

Se você é um investidor que preza a segurança do seu capital e a certeza de retornos constantemente positivos, mesmo que com rentabilidade reduzida, seu perfil é conservador. Aqui seguem algumas sugestões para te ajudar a nortear suas escolhas.

Títulos públicos

Um produto que se tornou extremamente visado foram os títulos públicos. Eles são títulos atrelados à dívida do governo federal e são emitidos pelo governo, em reais (R$), tornando o risco de crédito irrisório.

No entanto, possuem incidência de Imposto de Renda sobre os rendimentos, com alíquota máxima de 22,5% para aplicações de até 180 dias e mínima de 15% para aquelas acima de 720 dias. Existem, atualmente, 5 tipos de títulos públicos federais sendo negociados na plataforma do Tesouro Direto, sendo eles:

1. Tesouro IPCA (NTN-B Principal): É um título pós-fixado, ou seja, o seu retorno só é conhecido no vencimento. Sua rentabilidade é composta por uma taxa pactuada na compra somada à variação do IPCA. Este título não possui pagamento semestral de juros.

2. Tesouro IPCA com Juros Semestrais (NTN-B): É um título semelhante ao supracitado, a não ser pelo fato de pagar cupons semestrais ao investidor.

3. Tesouro Prefixado (LTN): É um título pré-fixado, ou seja, seu retorno já é definido no momento da compra. Seu retorno é referente ao valor investido inicialmente acrescido da rentabilidade no momento do vencimento ou resgate, possuindo, portanto, um fluxo de pagamentos simples.

4. Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTN-F): É um título prefixado, assim como a LTN, que paga cupons ao longo do período de aplicação.

5. Tesouro Selic (LFT): É um título pós-fixado que segue a variação da taxa Selic e, portanto, é indicado se há expectativas de aumento desta. Não paga juros semestrais.

CDB

Outro produto que se tornou muito popular foi o Certificado de Depósito Bancário (CDB). O investidor, ao comprar este título, empresta dinheiro à instituição financeira que o emitiu e recebe uma remuneração por isto. É um investimento de baixo risco pois está garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), ou seja, investimentos de até R$250.000,00 são reembolsados ao investidor no caso de falência do banco.

Este produto também sofre a incidência de Imposto de Renda, mas os bancos podem oferecer taxas maiores do que a de produtos isentos, como LCIs e Lcas, pois os recursos captados não precisam ser, necessariamente, destinados para as linhas de crédito imobiliário e agrícola.

Os rendimentos podem ser prefixados, tendo ganhos mais expressivos caso a taxa de juros caia, ou pós-fixados, que tem a rentabilidade maior em períodos de alta de juros. É importante ressaltar que a taxa dos CDBs pode ser negociada com os bancos, portanto, caso você seja um cliente antigo ou com grande volume de capital, não deixe de usar isso a seu favor.

Além disso, bancos menores costumam oferecer retornos mais elevados, pois não captam clientes com tanta facilidade, podendo ser boas alternativas de investimento para um capital que não supere os limites do FGC.

Fundos DI

Uma terceira alternativa de investimento são os Fundos DI, que investem a maior parte de seus recursos em Títulos Públicos atrelados ao CDI. Portanto, são produtos de baixo risco e que rendem entre 95% e 100% do CDI, além de terem como atrativo a liquidez diária.

Apesar de não ser protegido pelo FGC, o baixo risco deste investimento é garantido por um princípio chamado de “Chinese Wall”, no qual o patrimônio de fundo está juridicamente separado do patrimônio da instituição financeira responsável por ele.

Caso este banco venha à falência, o investidor não sofrerá nenhuma perda e seu capital não será afetado. Os rendimentos deste investimento também estão sujeitos ao Imposto de Renda, de forma regressiva, além de estar sujeito às taxas de administração e performance, estipuladas pela administradora do fundo.

Uma outra vantagem deste produto é o fato de que a responsabilidade de investir se encontra na mão do gestor, poupando os investidores da tarefa de analisar o mercado e tomar decisões assertivas.

Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Agrícola (LCA)

Por fim, outra alternativa que caiu no gosto dos investidores conservadores são as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Agrícola (LCA). Estes papéis tem como fim financiar os setores imobiliário e agrícola, respectivamente e possuem taxas prefixadas no momento da compra.

O grande atrativo deste produto é o fato dele ser isento de imposto de renda para pessoas físicas, ao contrário dos CDBs, fundos DI e Títulos Públicos. Além disso, o risco é baixo devido à cobertura pelo Fundo Garantidor de Crédito. Este tipo de investimento, no entanto, tende a exigir um valor maior que os demais como aplicação mínima e possui um prazo mínimo para resgate, restringindo a liquidez do investidor.

É importante ressaltar que nenhuma dos produtos, por mais seguros que sejam, estão completamente livres de risco. Portanto, para que proteger de forma mais efetiva o seu capital, é necessário diversificar os investimentos. Dividir os recursos entre produtos de diferentes naturezas e instituições torna menor a chance de grandes perdas, pois o desempenho ruim de um produto pode ser compensado pelo ganho em outro.

Procure um de nossos consultores e descubra qual a melhor estratégia para você!

Caso queira aprender um pouco mais sobre o assunto, confira também esse vídeo em nosso canal no Youtube.